Compartilhamento de informações

Dando uma folheada no livro "Wikinomics : How Mass Collaboration Changes Everything, encontrei a história da Gold Corp, uma mineradora que aboliu os manuais administrativos do senso comum e divulgou informações sigilosas e minuciosas sobre suas minas para que o mundo todo encontrasse ouro.

Após uma crise financeira e quase entrar em falência, a Gold Corp, insatisfeita com seus próprios géologos por não conseguirem estimar confiavelmente a localização de ouro em suas propriedades, lançou um desafio aos geólogos do mundo todo para que utilizassem os melhores métodos e dessem as melhores estimativas de onde encontrar ouro. Em pouco tempo, enxurradas de informações fizeram a empresa identificar 110 pontos com uma precisão de 80% de quantidades substanciais de ouro num total de 224 toneladas, avaliadas em mais de US$ 3 bilhões de dólares. Ofereceram meio milhão de dólares como prêmio.

Material Humano

É comum as empresas imaginarem que os melhores profissionais para tratarem as informações internas sempre estarão na sua própria equipe, algumas preferem montar uma equipe com o que há de melhor em busca desse modelo, a Gold Corp foi na contramão dessa tendência, abriu suas informações ao mundo e colheu os frutos pagando um preço justo aos melhores. A empresa focou no material humano como principal capacitador do crescimento e recuperação, não da forma tradicional contratando os melhores, mas compartilhando suas informações.

Tendência Global

Esse modelo de gerência baseado no compartilhamento tem surtido melhores resultados e empresas que encabeçam a lista das maiores estão adotando em escala globa, o foco em comunidades como Flickr, Second Life, Youtube tem cada vês mais atraido as corporações e essa tendência parece não ter volta em curto e médio prazo.

Uma empresa que compartilha suas informações, age de forma global mesmo estando localizada nos confins do interior mais remoto do Brasil ou de Botswana, essa empresa se igualha aos concorrentes de grande peso financeiro porque conseguem estratégia de tratar suas informações e otimizar os resultados na busca do conhecimento.

Quem tem informações privilegiadas sobre seu negócio tem sempre um diferencial importante na luta pela sobrevivência em um mercado livre, e como o mundo preferiu o mercado livre mesmo com grandes interferências governamentais (onde até uma China comunista se comporta como uma nação capitalista abrindo seu mercado) , essa luta será sempre mais acirrada.

Fim de uma era?

O modelo fechado parece perecer nesses dias atuais e o modelo de compartilhamento ganha mais adeptos a cada manifestação de sucesso daqueles que o adotam, as empresas sempre buscam a sobrevivência e parte dessa sobrevivência se deve a adotar "fórmulas de sucesso" comprovadas. Deixando ideologias de lado, o mercado livre não dá espaço para lucros desproporcionais e práticas predatórias.

O capitalismo selvagem que ainda vigora em parte no mundo pode ser diluído ou até exterminado se o mundo encarar que o compartilhamento é mais importante do que a ganância. Utopias podem ser realizadas sem banhos de sangue ou eugenias em busca de um "Novo Homem", luta de classes podem ser aposentadas e revoluções populistas que terminam em decadência e muros caídos podem ser evitadas.

O mercado livre não necessariamente é capitalista, o capitalista não é sinônimo de Tycoon e convenhamos, o muro caiu e maio de 68 envelheceu.