O que me incomoda no filme 300

Todo mundo nesse planeta já resenhou o filme 300 , para mim todos tem razão, desde os que torcem o nariz pelos " desvios "
históricos, aos que acharam o filme delicioso, mesmo com Rodrigo Santoro retratado como uma "Drag" no papel de
um dos maiores imperadores
que esse planeta já viu reinar.

Mas não quero falar sobre o filme que particularmente adoro, apenas sobre um ponto que me causa insônia desde a primeira ves que assisti, entre as 47 vezes.
Porque diabos inventaram aquela cena onde a Rainha Gorgo (estrelado pela deliciosa Lena Headey ) se oferece em troca do apoio quando discussasse na Gerúsia a favor que Sparta apoiasse o marido na batalha das termópilas? pior ainda foi ser acusada de traição ao marido por um dos membros, o que a comeu.

O problema para mim não é ela ter se oferecido, apesar que isso não existiu ou se existiu nenhum historiador deu atenção, mas sim o aspecto como a coisa foi feito, pelo que me consta era comum as mulheres espartanas trocarem favores sexuais com outros homens que não seus maridos, aliás eram iniciadas com escravos para ir esquentando os motores para um casamento feliz.

Porque esse puritanismo cristão inserido em um enredo grego (por mais que sofresse distorção histórica em nome do entretenimento)?

Como se as mulheres espartanas precisassem pedir autorização sequer a seus maridos para copularem com outros homens.

Esse sim era um povo livre por mais que pertencessem ao estado.