Heróis

“Nós precisamos de hérois”, com essa frase Dave Mustaine , vocalista e guitarrista da banda de Metal Megadeth definia o porque do rock em geral estar decadente. Essa decadência se devia ao fato do público ojerizar os GuitarHeros tão comuns nas decadas de 70 e 80 com seus solos gigantes, plásticos e até certo ponto enfadonhos e aclamar estilos como o Grunge no inicio da década de 90 onde solo era luxo. De certo ponto de vista devo concordar com ele, talves não tenha nada haver com nossa situação atual, mas o fato de termos heróis não seria fato impulsionador de patriotismo? não quero igualhar patriotismo com xenofobismo, não quero defender visão totalitária, mas sim patriotismo com defesa dos valores cívicos, com espírito de humanidade e indignação com os erros administrativos sucessivos. Ser xenófobo é ter odio a outro país, ser patriota é amar seu próprio país.
Nós não temos heróis, ou pelo menos não temos divulgação de nossos heróis, vejamos os heróis escolhidos para seguirmos, falarei somente dos brasileiros…
A comecar por Tiradentes, Patrono Cívico do Brasil, quem ele foi? o que defendia? qual seu legado? os historiadores acusam a monarquia imperial de ter sufocado a imagem desse herói da Inconfidencia Mineira, mas qual mensagem ele deixou realmente? É um herói que não impulsiona patriotismo, ninguém consegue te-lo como ídolo.
Quem foi Zumbi? Zumbi foi criado por um padre, educado, letrado, lutou em nome da liberdade, mas e porque mesmo assim não nos inspira? Seria por preconceito que ele não é transformado em figura heroica reconhecida? popularizada? ficam mais dúvidas do que respostas, escreverei sobre Zumbi em outros artigos.
Nossos imperadores, começando por Dom Pedro I, já que ele nos deu a independencia ele deveria ser o primeiro herói a ser lembrado, mas vejamos, o “Grito do Ipiranga” so existe em ata da maçonaria carioca la pelo dia 20 de setembro mais ou menos, um principe que acordava seus ministros em plena madrugada para decretar alguma maravilha que tinha pensado em estado de embriagues contumaz para logo desfazer pela manhã, realmente não merece crédito. Dom Pedro II, sábio, cientista, filósofo, cientista… mas administrador trágico, anti-abolicionista, sua capacidade adminsitrativa se resumia a colocar no poder os liberais quando os conservadores assumia relativo poder e vice-versa. Nessa brincadeira ainda permaneceu várias décadas, mas seu maior problema foi ser conservador na alma, por mais que tivesse ministros liberais pensava como um conservador de sua época onde empresário era senhor de escravos e gerente de recursos humanos era capataz.
Estamos bem servidos de heróis, cito por exemplo Padre Antonio Feijó, procurem a historia dele, vou postar uma pequena revisão sobre sua vida e suas obras em breve, meu herói foi Irineu Evangelista de Souza, o Visconde de Mauá, o homem que apesar de ter errado muito foi impulsionador da industrialização desse país, seus maiores erros foi não apoiar os movimentos republicanos quando teve oportunidade, renegar sua vertente liberal, se abster do abolicionismo apesar de não ter tido escravos e acreditar na monarquia.
Acredito que devemos resgatar nossa história real e não a nos contada na “escola”, temos sim bravos heróis, pessoas que deixaram um legado especial a ser seguido.