Lançamento do Goverblog

Como eu anunciei aqui antes, estamos iniciando um projeto pioneiro de Goverblog (nome bacana criado por mim para blogs que vão mudar a politica ou … como sonhar acordado), esse blog na verdade é um projeto piloto para a incursão da Secretaria do Turismo do Estado do Ceará, A.K.A SETUR-CE, nessa onda de WEB2.0, ou melhor, Governo2.0.

Idealizado pelo Secretário adjunto, Osterne Feitosa, e comandado pelo secretário Bismarck Maia, esse projeto tem o foco específico de cobrir a Feira das Américas 2007 da ABAV no Rio. Com os sentimentos dessa experiência, pretendemos criar um blog institucional e replicar esse projeto para a cobertura de todos os eventos que a SETUR-CE participa.

Nosso objetivo é criar mecanismos de comunicação direta com a população, além de auxiliar o objetivo maior da secretaria que é "vender" o Ceará como um pólo turístico. Informações em tempo real sobre as ações da secretaria e toda essa cultura bacana de mutualismo à lá Wikinomics.

Existe um projeto maior por trás, estamos implementando a cultura de compartilhamento na secretaria, que é difícil já que grande parte das pessoas está acostumada em consumir informações ou somente produzir, tranformar todo esse contingente em Prosumer é o desafio. Temos um projeto de wiki interno na intranet (que estamos criando com um CMS), com a integração com todas as ferramentas legais de mídia na internet, quase um mushup.

Voltando ao assunto do blog, foi um projeto relâmpago, surgiu a idéia semana passada, aproveitamos a presença do Luthiano (colunista do MeioBit) aqui, pedimos a ajuda dele e montamos a equipe que iria viajar e cobrir o blog. Nós, (eu e o Márcio Almeida, responsáveis pela parte técnica) não tivemos tempos de construir layout e aprimorar a ferramenta, criamos um dominio ce.gov.br e hospedamos na minha conta do Dreamhost, instalei o wordpress e, em cima do layout padrão dele, colocamos os plugins para youtube, twitter e flickr, já que o trabalho de cobertura do evento será focado em mídias, principalmente entrevistas.

Espero que o trabalho seja um sucesso, já que a experiência será o termômetro das nossas iniciativas, além do que a meta mais ambiciosa é espalhar essa cultura para as outras setoriais.

Você pode estar pensando: "- que bobagem, um blog é a coisa mais trivial do mundo", mas para órgãos públicos isso é uma revolução cultural tal qual o iluminismo foi para a civilização ocidental. Caso consigamos implantar essa cultura de abertura das informações e criarmos um canal direto para as manifestações populares, a transparência provocará uma evolução natural nas relações cidadão-governante.

[mode Bial on] Agora vão lá http://www.cearaabav2007.ce.gov.br/ dar uma espiadinha [mode Bial off]

Pioneirismo do Goverblog

Governo é sinônimo de burocracia, hierarquização, entre outros adjetivos não tão orgulhosos em tempos de WEB 2.0, mas estamos fabricando um Goverblog (marca que urgente devo registrar) pioneiro no Brasil.

Um projeto pioreiro que servirá de piloto para as ações futuras da secretaria, por enquanto só posso dizer que algumas das mentes mais criativas do Ceará estão trabalhando no projeto.

Nosso secretário adjunto, Osterne Feitosa, está coordenando o processo, cargo esse apelidado carinhosamente por ele mesmo de semi-deus!

A equipe do Goverblog foi montada sob supervisão de Luthiano Vasconcelos, nada menos nada mais do que o colunista WEB2.0 do melhor espaço de cultura digital brasileiro, o MeioBit.

Por enquanto só temos um blogueiro profissional na equipe, outro está sendo contratado (?) nessas próximas horas. A mente criativa, especializada em conteúdo, é o Helcio do FundamentalConteudo. A equipe ainda conta com Luciana Cavalcante da comunicação e Natália Oliveira, especialista em publicidade e vídeos.

Como citado, esse blog é um projeto piloto com um foco bem específico, que vamos revelar junto com todos os detalhes de criação e tecnologia na próxima segunda 22/10/2007.

Hoje tivemos a primeira reunião com a equipe que ainda não está formada por completo, segunda no lançamento oficial daremos mais detalhes, discutimos as estratégias, fechamos o foco do trabalho e um pouco sobre as tecnologias a serem adotadas. Tudo baseado em serviços já existentes na blogosfera como Flickr, Youtube, WordPress, microblogs e mais algumas tecnologias locais.

Blogs governamentais existem por aí, blogs de políticos e e personalidades públicas também, o pioneirismo desse blog em especial não é nem o blog em si, mas sim a estratégia que estamos produzindo, de compartilhamento de informações que nunca haviam sido trabalhadas e da abertura de um órgão governamental em um mundo aberto. Aguardem os próximos movimentos.

Como participar da WEB2.0?

Hoje tive uma reunião com os principais gestores para a apresentação da Intranet e de um Wiki, idéia do subsecretário que sempre está antenado com essa cultura WEB2.0.

Mas quem vive ainda no mundo analógico, não consegue compreender como é essa cultura mutualista onde as pessoas produzem e consomem informações, são Prosumers. Consumir informação é fácil, produzir é difícil, unir os dois conceitos em um só é ainda mais complicado para quem vive na cultura de consumidor de informações apenas.

Na bendita reunião, ao ser apresentado o Wiki que deverá catalogar o conhecimento da Secretaria, as pessoas perdidas em meio a esse mundo, já sugeriram um comitê para iniciar o trabalho de “normalização”, outras já sugeriram um documento oficial com as regras e diretrizes , enfim, faltou só sugerirem uma nova coordenadoria.

Me senti como um navegador europeu chegando no novo mundo e apresentando a pólvora e o espelho aos indígenas.

Hoje um amigo passou o seu novo blog e pediu para “participarmos”, logo gerando confusão nas mentes velhas que vivem analogicamente, se perguntam: “-ora, como vamos participar?”. Abram as mentes pessoal, deixem o mundo digital entrar em suas vidas, pensando um pouquinho, dou algumas dicas de como participar de um blog:

  1. Comentando;
  2. Gerando trackbacks, pingbacks caso seja um produtor;
  3. Assinando o feed;
  4. Acrescentando o blog no seu delicious;
  5. Favoritando o blog no technorati, BlogBlogs, IceRocket ou outro qualquer repositorio de blogs;
  6. Enviando as matérias interessantes para o DIGG, REC6, etc…;
  7. Solicitando usuario e login para ajudar a gerar conhecimento, ou seja, ser um “Prosumer*”;
  8. Acrescentar o blog em seu Blogroll;
  9. Deixar a imaginação de uma mente jovem solta (coisa difícil para quem vive na era analógica);
  10. [Versão Beta] :)… vá acrescentando suas dicas nos comentários;

Agora pensem em como partilhar da maravilha da comunicação aberta, aprendam a participar das novas mídias e vamos deixar de fazer sinal de fumaça.

Assisti ao Tropa de Elite

Até que enfim consegui assistir esse tão falado filme. Não, não caí na hipocrisia do discurso fácil de: “- só vejo no cinema porque não alimento pirataria”, isso é besteira.
Assisti no conforto do lar, no meu player divx, comendo pipoca com coca-cola no conforto de minha cama. Baixei a obra em uma rede P2P como qualquer cidadão “que paga seus impostos”. Não comercializo, como posso ser pirata?
O filme é delicioso em termos de fotografia e dinâmica, até que enfim os brasileiros estão aprendendo a fazer filme de verdade, desde carandiru que fazemos bons filmes no aspecto visual.
O que me incomodou na história foi a tentativa de explicação o tempo todo no discurso do capitão Nascimento, como se todo mundo fosse um idiota e não conseguisse entender o desenrolar do trama, ora essa, quem vai ler o filme como fascista não precisa de explicação, quem vai ler o filme como um retrato da realidade, não precisa disso. Achei apenas esse defeito no filme, defeito esse que ameaçou estragar a obra.
Me falaram que no cinema ainda pirou, mudaram algumas falas do capitão, como não assisti lá (ainda?) não posso saber como ficou.
Todas essas resenhas de julgamento de valores é infrutífera, uma obra de ficção não precisa de discussão se é certo ou errado o seu enredo, nem que pretensamente tenha a ilusão de representar a realidade. Obras científicas sim, ficção jamais.
E é isso que o filme é, uma deliciosa ficção, que nos faz entrar na história e se identificar com as situações. O debate vem depois nas salas de aulas, nas praças, ágoras e clubes.
Mas o debate que tenho visto é sobre se o filme é fascista ou não, ora, isso não tem a menor importância, os assuntos na ficção é que deveriam ser dabatidos, já está mais do que na hora de discutirmos em sociedade a liberação das drogas, esse discurso fácil de que “o viciado alimenta o tráfico” é outra idiotice de cunho medieval. Quem alimenta o tráfico é a própria situação, qualquer negócio que renda mais de 30% de lucro será sempre um bom negócio, estando proibido ou não, ainda mais que vale lembrar que muitos setores da economia vivem na margem do ponto de equilíbrio, então acabar com o tráfico somente liberando.
Claro que esse tipo de discussão não é fácil, envolve aspectos culturais, religiosidade, economia, cobertura da saúde pública e toda uma esfera de cidadania.
Já está na hora de debatermos, mas estão preferindo provar uns aos outros se o filme é ou não fascista.