Estado de Israel e a esquerda

Sempre quando o debate cai em Israel e os conflitos com árabes, palestinos, persas e todo tipo de coisa acerca disso, perguntam por quem eu sou favorável.

Agora o que não entendo é porque a esquerda resolveu comprar a briga palestina. Isso é um pouco difícil de entender, vamos lá:

Moses Hess foi o mentor intelectual de Marx e Engels, um dos pais do socialismo e o criador do que se convencionou chamar de Sionismo.

Tirando toda a parte chata da história, indo direto ao ponto, a resolução 181 das Nações Unidas criou o plano de particionamento da palestina. Resumindo a história, criaria dois estados, um árabe e outro judeu. Os judeus aceitaram e os árabes não. USA e URSS eram a favor, Inglaterra contra. O estado de Israel acabou sendo criado e sobre forte influência sionista, os Kibbutz são idéias socialistas que deram certo [talvez o único empreendimento socialista que realmente deu certo].

Em 1948 assim que foi criado o estado de Israel os árabes decidiram invadir e recriar o que outrora foi o império Otomano ou parte dele, deu tanto certo que chamaram a coisa de “A catástrofe”. Entraram queimando óleo trinta e saíram com um pé-na-bunda clássico.

Os árabes lutaram pelo lado errado da segunda grande guerra, apoiáram o nazismo. Mohammad Amin al-Husayni foi o nazistinha aliado de Hitler do lado árabe, mentor intelectual do terrorista Yasser Arafat que já ganhou “prêmio nobel da paz” [é assim que a civilização premia terroristas que abdicam de matar inocentes]. O ódio que eles nutrem contra os israelenses é ódio nazista.

O estado de Israel é o único laico e democrático da região.

Sinceramente não entendo um esquerdista não apoiar Israel.

Veja e Nassif

Eu estava morrendo de preguiça de escrever sobre isso. Até que o Alex Castro me economizou digitação e escreveu o que eu gostaria de dizer mas não tinha capacidade de conectar palavras (eu ando tão miguxo que “mauh xei ixcrever maix”).
Muitos escreveram sobre isso, até o Marcus.
Esse tipo de coisa para mim é inócua, ainda mais o Nassif que está coordenando, quer queira ou não (por mais que seja uma falácia conhecida) a pessoa que denuncia não tem credibilidade para tal.
Não vou fazer igual aos amigos que caíram nessa cilada e linkar o Nassif, mas não vou mesmo. Ainda mais escrevendo VEJA e linkando Veja com Nassif. O google deveria até punir essa prática desleal.
Então não espere o link de Veja ou VEJA daqui.

ps. Numa crise de criatividade inverti o título para parecer inovador, colou?