A revista VEJA em sua edi√ß√£o 1412 de 04 de outubro de 1995, portanto h√° 16 anos, trazia em sua capa a mat√©ria entitulada: “Os Novos Milion√°rios“, voc√™ confere no acervo digital da revista. A tem√°tica do artigo era demonstrar como o dinheiro mudava de m√£os muito r√°pido e gerava a cada dia novos milion√°rios.

Essa edi√ß√£o 1412 comparava ainda como era a classe rica desse pa√≠s do in√≠cio do s√©culo 20 com a atual – atual da √©poca dos anos 90. Essa compara√ß√£o tinha um motivo, a t√īnica era demonstrar como o Brazil estava abra√ßando o capitalismo e o empreendedorismo e como essa nova classe de milion√°rios trabalhava duro e por esse motivo vinha o seu sucesso.

As grandes estrelas daquela matéria eram os banqueiros, até então ilibados no imaginário popular da classe média. Hoje em dia pegaria muito mal demonstrar que a nata dos milionários de uma nação eram pessoas consideradas improdutivas e que vivem do lucro do trabalhador. Sim, ainda mais nessa era atual onde a liderança política e ideológico tende a esquerda, ainda mais uma esquerda vinda de um grosseiro marxismo.

Entre aqueles milion√°rios, o mais jovem entre eles, um promissor Eike Batista. Confira um recorte abaixo:

Eike Batista ainda milion√°rio

A Formula se repete

A revista de hoje, 15 de janeiro de 2012, trás praticamente a mesma abordagem com uma capa estampada por Eike Batista, agora bilionário. Apesar da capa tentar agradar a neo-classe-média-de-esquerda, a matéria é até interessante, tenta demonstrar que esse ranço nacional contra a geração de riquezas e essa tese de que ter dinheiro é feio é algo errado e temos que acabar com esses preconceitos.

“Veja” bem, eu considero a revista VEJA como a melhor do seu segmento, mas esses artigos que tomam o “outliers” como exemplo para todo mundo √© sempre irritante. Segundo o que¬†Malcolm Gladwell¬†defende no seu livro ‚ÄúOutliers, The Story of Success‚ÄĚ, o sucesso √© um conjunto de situa√ß√Ķes e a combina√ß√£o de fatores alheios ao talento pessoal.

Portanto n√£o basta o seu QI elevado ou propens√£o a determinada a√ß√£o, que chamamos de talento. Al√©m disso tudo √© importante “a regra das 10 mil horas”, estar no lugar certo, na √©poca certa e em alguns pa√≠ses e lugares na casta ou etnia certa.

Eike Batista é o exemplo de Outlier. Filho de Eliezer Batista, por si só a melhor chave para abrir quaisquer portas, no próprio artigo da VEJA de 1995 é citado esse fato. Mesmo que Eike não reconheça e ache que seu sucesso foi por si só, esse fato é o mais importante.

Observe que ele se tornou um dos maiores bilion√°rios do mundo a partir de 2002, coincidentemente na √©poca que o Lula [PT] assumiu o poder e mudou a abordagem pol√≠tica dos governos de at√© ent√£o. N√£o estou insinuando que Eike tenha tido quaisquer favorecimentos ou informa√ß√Ķes privilegiadas por esse governo em quest√£o, mas que ele estava na √©poca certa para empreender no tipo de empreendimento que ele tem efic√°cia e praticou suas 10 mil horas – 16 anos desde aquela mat√©ria onde um jovem de 38 tinha apenas m√≠seros 200 milh√Ķes. N√£o √© atoa que ele det√©m a primazia sobre in√ļmeros projetos governamentais, principalmente na √°rea de energia.

A mat√©ria de agora erra no mesmo motivo de outrora, toma a conseq√ľ√™ncia como causa. Jovem milion√°rio, formado na alemanha, o pai com influ√™ncia em todos os segmentos e em todas as embaixadas ao redor do planeta, investimentos na especialidade que domina e¬†branco em um pa√≠s racista.

Viu como é fácil?

O próprio Eike publicou um livro de autobiografia como cita o artigo atual, mas nem ele deve entender como chegou aonde chegou e dificilmente terá algum conselho prático a alguém como eu. Essa matéria peca justamente por tentar transformar o Eike como modelo de qualquer empreendedor.

Categories: empreendedorismo ~ ~ Trackback


Assine os coment√°rios deste artigo.


4 Responses to “Basta trabalhar duro para se tornar bilion√°rio como o Eike Batista”

  1. 1
    Felipe Oliveira

    √Č f√°cil empreender quando j√° se tem capital grande inicial de giro, bons contatos e um pai ex-ministro de energia

  2. 2
    Leonardo Kenji

    vc não acha interessante como, de repente, a VEJA e o Fantástico começam a fazer o maior auê justo quando o Eike lança o livro dele de auto ajuda para administreiros?

    isto chama “assessoria de imprensa com grana”

  3. 3
    MHMarques

    A mídia precisa exibir alguém como modelo para os brasileiros ambiciosos que sonham longe, acho que ele foi escolhido na época mais por conveniência do que por competência. O tempo só concretiza ainda mais essa conveniência.

  4. 4
    Thomas

    Hoje em dia √© praticamente imposs√≠vel empreender e ficar bilion√°rio, veja o caso do facebook, logo que come√ßou o sucesso j√° foi abocanhado, o google tamb√©m, ou seja, quem j√° √© bilion√°rio compra tudo antes que fique grande demais para se tornar concorrente, veja a americanas e submarino, p√£o de a√ß√ļcar, embratel, vivo, etc.

    Se você nasceu na nata, o caminho já está todo trilhado, se não nasceu, basta rezar pra que sua idéia seja comprada por algum mauricinho com muito dinheiro pra torrar.

Leave a Reply